Bom Caminho - em busca das veredas antigas

R.C. Sproul - foto

Sproul sobre o Calvinismo de Quatro Pontos

R.C. Sproul

Há um grande número de pessoas que se intitulam calvinistas de quatro pontos porque eles não conseguem engolir a doutrina da expiação limitada. Às vezes dizem: "Eu não sou nem calvinista nem arminiano, eu sou um ‘calviniano’". Eu penso que um calvinista de quatro pontos é um arminiano. Digo isso pelo seguinte: Quando eu falei com pessoas que se dizem calvinistas de quatro pontos e tive a oportunidade de discutir o assunto com eles, acabei descobrindo que eles eram calvinistas de nenhum ponto. Eles achavam que acreditavam em depravação total, em eleição incondicional, em graça irresistível, e na perseverança dos santos, mas eles não tinham entendido estes pontos.

Só uma vez eu encontrei uma exceção a esta regra geral, uma pessoa que se auto-proclamava calvinista de quatro pontos e que não era um calvinista de nenhum ponto. Ocorre que essa pessoa era um professor de teologia. Eu estava interessado na posição dele, então eu lhe disse: "Eu gostaria de ouvir como você lida com isso, porque eu confio em você. Eu sei que você é versado em teologia, e queria ouvir como você pensa sobre isso". Eu esperava que ele não tivesse uma compreensão precisa do T, U, I, e P*. Mas para minha surpresa, quando ele discorreu sobre eles, percebi que ele os expôs tão claramente quanto um calvinista estrito jamais teria feito. Eu estava exultante, mas também pasmo. Aí eu disse: "Agora fale-me sobre a sua visão quanto à expiação limitada". Quando ele me passou o seu ponto de vista quanto à expiação limitada, descobri que este homem não era um calvinista de quatro pontos. Ele era um calvinista de cinco pontos. Ele acreditava na expiação limitada e não sabia disso.

O ponto que quero enfatizar é que há muita confusão sobre o que a doutrina da expiação limitada realmente ensina. Porém eu penso que se uma pessoa realmente entende os outros quatro pontos e está pensando com clareza, ela tem que acreditar na expiação limitada por causa do que Lutero chamou de “lógica irresistível”. Ainda assim, há pessoas que vivem em uma feliz inconsistência. Creio que é possível uma pessoa acreditar em quatro pontos sem acreditar no quinto, embora eu ache que não é possível fazê-lo consistente ou logicamente. Porém, é certamente uma possibilidade dada nossa tendência à inconsistência.



* N. do Tradutor: Referência a um acróstico conhecido como TULIP (T - Total depravação; U - Uma eleição incondicional; L - Limitada expiação; I - Irresistível Graça; P - Perseverança dos Santos

Fonte: Extraído do blog de Justin Taylor (Between Two Worlds)
Fonte Original: The Truth of the Cross (p. 140-142) de R.C. Sproul


Tradução: centurio


Fale conosco: mail@bomcaminho.com.

; 2007 Bom Caminho