Bom Caminho - em busca das veredas antigas

Mark Dever - foto

Sobre o Uso e a Importância da Oração Corporativa

Uma Entrevista com Mark Dever

A IMPORTÂNCIA DA ORAÇÃO CORPORATIVA

Qual é a diferença entre oração individual e oração corporativa?

Na oração individual, eu estou respondendo a Deus simplesmente por mim mesmo – meu próprio conhecimento dEle, minha relação com Ele, minha experiência com Ele. Na oração corporativa, quando alguém abre a boca para orar por um grupo inteiro de pessoas, a pessoa que conduz não pode pensar só por ela mesma, mas deve pensar: "Pelo que este grupo de estudo bíblico, ou pelo que minha família, ou pelo que esta igreja local precisa louvar a Deus, agradecer-lhe, confessar e pedir neste momento?"

Na oração corporativa a pessoa que este orando está falando com Deus, com as pessoas, ou com ambos?

Com ambos. As pessoas não pensam sobre isso às vezes. Sabe, é como quando alguém fala com outra pessoa que estava orando com uma voz muito baixa, e então a pessoa que estava orando responde em um estilo farisaico: "eu não estava falando com você." Bem, na verdade, se você está orando em voz alta você está falando, em parte, com os outros. Você vê isso em profetas como Isaías e Jeremias. Você vê isso nos Salmos, também. Basicamente, se você está abrindo sua boca e está pedindo-nos que fechemos a nossa, então você está, em parte, falando conosco. E você precisa levar isso em consideração.

"Na oração corporativa, quando alguém abre a boca para orar por um grupo inteiro de pessoas, a pessoa que conduz não pode pensar só por ela mesma..."

Portanto, na prática, se você for a pessoa que conduz a oração, ore "nós" e não "eu". Você pode orar ocasionalmente "eu", mas geralmente você deveria orar "nós" porque você está representando a si mesmo e a todas essas outras pessoas diante de Deus.

Deixe-me explorar um pouco mais um ponto que você estabeleceu há pouco sobre ver a oração corporativa exemplificada na Bíblia. Considerando que é baseada nas Escrituras, a oração corporativa é algo que os pastores deveriam – normativamente deveriam - estar fazendo?

Oh, sim. É o exemplo que se vê em Atos. Também Paulo exorta Timóteo para fazê-lo em suas correspondências com ele. Sim, definitivamente.

A igreja que não leva a oração corporativa a sério priva seriamente seus membros de algo?

Sim, eu creio que você priva a si mesmo e a seus membros de uma dessas partes fundamentais daquilo que compõe a nossa identidade como cristãos. Paulo fala aos coríntios que nós temos o mesmo Espírito em nós, e a oração corporativa é uma maravilhosa demonstração da unidade ontológica que temos espiritualmente enquanto literalmente falamos a uma voz com Deus. Negar isso, e em vez disso ver o ajuntamento da igreja como o seu momento silencioso com outras quinhentas pessoas, é errar o alvo. Afasta a igreja local da realidade experimentada como cristão. É um empobrecimento.

Então quais são alguns dos benefícios da oração corporativa para o cristão individual? Eu estou aqui; Sou membro de uma congregação; e estou aqui sentado participando deste momento de oração corporativa. Quais são os benefícios para mim? Como eu crescerei na graça?

Participar regularmente da oração corporativa começa a eliminar aquela suposição individualista de que o cristianismo é só sobre mim e a minha relação com Deus; e começa a reposicionar-nos como cristãos individuais na congregação de forma que passemos a nos dar conta daquela pessoa que está doente, daquela pessoa que acabou de ter um bebê, de uma pessoa que está desempregada, de outra pessoa que acabou de tornar-se cristã. Participar da oração corporativa ajuda-nos a descobrir que nossas vidas como seguidores de Cristo são amarradas umas às outras. Ajuda-nos a descobrir como Deus se preocupa com a congregação como uma entidade que deveria ser marcada pelo fruto do Espírito e o amor de João 13:34-35.

Não é assim que os cristãos na América normalmente conversam. Você ouve falar dos "meus próprios desejos e demandas espirituais"; você não ouve falar dos desejos e demandas da congregação local. Mas participar regularmente da oração corporativa reintroduz essas idéias e reorienta nosso pensamento.

"Participar da oração corporativa ajuda-nos a descobrir que nossas vidas como seguidores de Cristo são amarradas umas às outras."

Então ela opera contra a desunião.

Sim, entre muitas outras coisas. Trabalha contra a desunião porque você começa a perceber que aquela pessoa que você está desconsiderando, escarnecendo, ou desprezando é de fato parte do seu próprio corpo. Você precisa aproximar-se dela e dos seus problemas – mesmo quando você discorda dela – diferentemente de como você fazia antes.

Incluindo assumir os...

Sim, não é o "problema deles", é o "nosso problema". Isso te traz para a disciplina da igreja. Isso te obriga a corrigir outras pessoas. Também te traz a outros aspectos da vida comunitária porque você enlaça a sua vida com a deles.

Até que ponto você está consciente de estar pastoreando as pessoas enquanto ora?

Eu estou seriamente consciente disso quando estou preparando uma oração. Eu não escrevo um manuscrito, mas tomo nota do que eu quero orar e enquanto estou fazendo isso eu penso nesses termos. Entretanto, quando estou orando de fato, fico realmente consciente de estar na presença de Deus, e penso apenas secundariamente nas pessoas.

Você está dizendo que fica mais consciente de estar na presença de Deus quando você conduz a oração corporativa do que quando você ora individualmente?

Oh, sim! Eu estou muito consciente – você sabe - "Senhor, aqui estamos em tua presença na Capitol Hill Baptist Church, e aqui estão as coisas que nós gostaríamos de te falar a respeito". Sim, eu me sinto muito conspícuo.

Mais do que quando você prega?

Semelhantemente ou mais. Certamente não menos. O seja, eu sinto como se eu caminhasse até o Pastor Principal, e eu sou um dos seus pequenos subpastores. E eu trago todas essas ovelhas, e eu estou tentando fazê-las, sh-h-h-h, prestem atenção agora, você sabe, eu meio que me sinto assim. Eu espero que eu não esteja agora arruinando a sua experiência com as orações pastorais aqui na CHBC com imagens que podem tirar o foco.

"(A oração corporativa) trabalha contra a desunião porque você começa a perceber que aquela pessoa que você está desconsiderando, escarnecendo, ou desprezando é de fato parte do seu próprio corpo."

Não, de jeito nenhum. O que você está tentando ensinar às pessoas por meio da sua oração corporativa sobre a vida de oração individual de cada uma delas? O que você gostaria que elas reproduzissem?

Eu recebi certa vez uma maravilhosa carta de uma membra que era uma cristã recém-convertida, na qual ela dizia que tinha aprendido a orar na sua própria vida devocional pessoal por estar nos cultos da CHBC. Na verdade ela tinha aprendido até mesmo a orar em público ouvindo as diferentes orações que foram feitas. Assim eu esperaria que nós modelássemos aspectos diferentes da nossa relação com Deus pelas orações que nós fazemos em público.

DOMINGO DE MANHÃ

Bem, no aspecto prático, vocês têm dois cultos – o de domingo de manhã e o de domingo à noite. Comecemos pela manhã. O que você faz nos domingos pela manhã?

Nós certamente pensamos que igrejas diferentes têm liberdade para fazer isso de formas diferentes. Mas na Capitol Hill Baptist nós sempre temos uma oração de louvor (que é focalizada em algum aspecto de Deus), uma oração de confissão (onde nós confessamos nossos pecados), uma oração de intercessão / pastoral (onde nós oramos por várias preocupações que nós temos como família da igreja), e uma breve oração de agradecimento. Também há uma oração após o sermão na qual nós tentamos trazer certas verdades para dentro de nossos corações; e às vezes fazemos uma breve oração de convite à presença de Deus no início do culto.

Você mencionou orações de louvor, confissão, intercessão, e ação de graças que são basicamente o que nós vemos listado no boletim todas as semanas. Mas os Salmos têm mais do que apenas estas quatro categorias. Também há orações de lamento, recordação, e outras mais. Você faria uma oração de lamento? Por que você fica nessas quatro?

Algumas das coisas que os Salmos ilustram para nós estão contidas em orações individuais. Portanto elas não são todas orações que seriam normais na adoração corporativa. Dito isso, uma oração de lamento pode certamente ser apropriada pública e corporativamente, e eu penso que certamente deveríamos ter elementos disso.

Orações de recordação?

Sim, e essas acontecem freqüentemente nas orações de louvor. Mas voltando às orações de lamentação – eu creio que às vezes em minhas próprias orações pastorais, no final, eu reflito no que nós como cristãos somos e como a nossa cultura nos entende, e eu lamento por isso.

Algum comentário adicional sobre o que você quer ver sendo atingido na oração de louvor?

Nós tentamos distingui-la de uma simples oração de agradecimento. A oração de agradecimento significa "eu agradecendo a Deus por algo que ele me deu". Uma oração de louvor é uma oração que reconhece um aspecto do caráter de Deus que foi revelado a nós. Desta forma, nós poderíamos louvá-lO porque ele é um Deus salvador em vez de estar lhe agradecendo porque ele nos salvou. Nós poderíamos louvá-lO porque ele é um Deus revelador – porque Ele em si mesmo e dEle mesmo quer fazer-se conhecido – em vez de estar agradecendo-Lhe por Ele nos ter dado o presente da Sua Palavra e do Seu Espírito. Coisas desse tipo. Portanto, eu penso que isso é bom para nos ajudar a pensar em Deus da forma como a Bíblia O revela até mesmo antes de nós meditarmos no que ele fez por nós.

"Eu penso que a oração pastoral é importante para mostrar a nós mesmos e a outros que a igreja não está fazendo o que nós parecemos estar fazendo, mas que tudo isso é obra de Deus."

Então para aqueles intriguentos teológicos que andam por aí e que eu soube que têm tentado demolir a distinção entre ação de graças e louvor dizendo: "Nós só O conhecemos através da economia da redenção", você diria...

Que Ele revelou mais sobre Si mesmo do que tão somente a economia da redenção.

O que está sendo realizado na oração de confissão?

Nós certamente não temos como confessar todos os pecados que cometemos. Mas nós pretendemos conduzir a congregação em pensar em suas vidas diante de Deus, especialmente levando em conta qualquer texto que a igreja esteja estudando naquela manhã em particular. Portanto ela visa encorajar o auto-exame e ajudar-nos a meditar na santidade de Deus e como isso se relaciona com a maneira com que temos vivido. Então, por fim, nós pedimos o Seu perdão em nome de Cristo.

O qual você conclui então com...

Bem, depois da oração por perdão pelos nossos pecados nós lemos uma garantia de perdão extraída das Escrituras. Nós não fazemos isso como padres dizendo, "eu te absolvo". Mas nós citamos algo da Palavra de Deus sobre como Deus nos concede o perdão através de Cristo. Há muitos grandes versos que dão segurança aos santos e instruem os demais.

Sete ou oito anos atrás, eu me lembro que você disse que não fazia uma oração de confissão todas as semanas porque você se preocupava em não causar tropeço a ex-católicos ou católicos visitantes. Entretanto, agora a prática é fazer uma todas as semanas. Por que a mudança?

Eu simplesmente pensei um pouco mais a respeito e decidi que o dano de não fazer uma oração semanal de confissão era maior do que o risco de fazê-la.

Te peguei.

Sim, e talvez nós voltemos atrás em algum ponto mais adiante. Não sei. Mas eu penso que essa parece ser uma boa e saudável parte da vida da igreja.

Você pode detalhar para mim a sua oração pastoral? Você parece gastar um bom tempo nisso. O que você faz, e por que você faz?

Deixe-me começar com o "por quê?". Eu penso que a oração pastoral é importante para mostrar a nós mesmos e a outros que a igreja não está fazendo o que nós parecemos estar fazendo, mas que tudo isso é obra de Deus. No fim das contas, tudo o que nós fazemos é dependente de Deus e da Sua graça, Sua misericórdia e Sua ação. Por isso eu penso que o tempo dado à intercessão é uma expressão adequada, apropriada, cheia de louvor, de dependência, e é uma coisa boa e correta para os cristãos fazerem.

É uma forma de louvor.

É. É outra forma de louvor na qual nós confessamos nossa necessidade. E nós confessamos isso em alto e bom som porque nós confiamos na Sua suficiência e na Sua boa vontade para conosco em Cristo.

"Eu oro freqüentemente pelas escolas. Eu penso que as escolas públicas são uma parte muito importante do futuro deste país. Parte do que orar pelas autoridades significa é, de forma muito prática, orar por aqueles que têm autoridade nas escolas públicas."

Você freqüentemente afirma isso no início das suas orações.

Eu às vezes digo algo assim. Em outros momentos eu começo com uma declaração de uma oração de Daniel em Daniel 9 em que ele conclama a Deus a agir e responder por causa do Seu nome.

Eu começo meus pedidos pedindo a Deus que intervenha em situações que estão claramente presentes na mente da congregação como algum membro que recentemente se casou ou morreu ou alguma situação que toda a congregação está sabendo.

Então eu oro por outras classes de pessoas: talvez o desempregado, talvez aqueles que desejam ter filhos, algo assim. Às vezes eu oro por membros pelo nome.

E então eu oro por aqueles que têm autoridade sobre nós, e oro por duas ou três coisas sobre nossa cidade ou nação que estão em foco. Eu oro freqüentemente pelas escolas. Eu penso que as escolas públicas são uma parte muito importante do futuro deste país. Parte do que orar pelas autoridades significa é, de forma muito prática, orar por aqueles que têm autoridade nas escolas públicas.

Então eu oro por aqueles que saíram do nosso meio para pregar o Evangelho, o que para nós significa os missionários, seminaristas, e pastores.

Eu também oro por pelo menos uma outra igreja pelo nome e seu pastor. Às vezes é outra igreja Batista, mas freqüentemente é uma igreja de outra denominação. Normalmente é uma igreja em nossa própria área, mas às vezes eu oro por igrejas específicas ou ministérios fora de nossa área.

Então eu oro por vários países diferentes. Às vezes eu oro pelos governos deles; às vezes pelas liberdades religiosas; e certamente pela expansão do Evangelho.

Eu tento ocasionalmente agradecer a Deus, porque ele fez tanto em responder nossas orações. Parece-me apropriado lembrar disso ao orar publicamente, para que não pareça que somos mendigos porque ele não nos dá abundantemente, quando em verdade Ele o faz. Eu sei que nós já tivemos a oração de louvor e que nós teremos uma oração de ação de graças, mas eu quero apenas agradecer-lhe um pouco aqui também.

Finalmente, eu oro para que os cristãos sejam marcados por certas características, incluindo nossa própria congregação. E aqui eu normalmente oro pelos pontos do sermão para nós como congregação. Eu oro para que Deus nos ajude a ouvir, entender e mudar.

Como um pastor pode ir de um ponto em que o culto de domingo de manhã tem uma ou duas orações indefinidas ao ponto de ter estas três ou quatro orações definidas todas as manhãs de domingo?

Ele deveria começar simplesmente planejando isso para o culto. Ele pode ensinar sobre isso nos seus sermões, conforme ele tem oportunidade de mencionar a oração e rapidamente explicar por que ele está fazendo estas coisas diferentes. Parte do que impede os pastores de fazer isto, entretanto, é o problema maior de pensar no culto como se estivessem no tempo da televisão: "sem desperdício de tempo, sem desperdício de espaço". Assim ele deve ensiná-los: "Vejam, nós não somos assim. Não importa se nós terminamos às 12:00 ou não."

OUTROS ASPECTOS

Quanto tempo duram suas orações pastorais?

Não sei. Suponho que de 5 a 12 minutos.

Quanto tempo levam as outras orações - de louvor e de confissão?

A oração de louvor, eu imagino que fica entre 4 e 7 minutos. A confissão é um pouco mais curta, algo como 4 a 6 minutos, talvez.

Alguns momentos atrás, você disse que prepara anotações. Você encoraja as pessoas a escreverem suas orações, ou a espontaneidade é a melhor forma?

Há vantagens em ambos. Você deseja sinceridade, mas você também deseja que tudo seja bem pensado. Se você consegue pensar claramente quando está lá na frente e não distrai seu povo, mas efetivamente os conduz a Deus, então ótimo. Mas se você fica com a língua presa e fica se repetindo muito, então eu não me preocupo se você for sincero a ponto de chorar, chegando à conclusão que essa não é a melhor maneira – geralmente – de conduzir a oração pública.

Então você não tem problemas com pessoas que escrevem suas orações?

Não, tudo bem. Mas, se elas lerem suas orações de uma forma que distrai porque soa como se elas estivessem lendo uma tese ou um ensaio então passa a ser um problema.

Uma vez nós tivemos um membro da equipe que citava Lutero para o Senhor, e dizia ao Senhor que ele estava citando Lutero: "Oh, Senhor, como Lutero uma vez disse...". Nós dissemos a ele mais tarde: "você jamais precisa dizer ao Senhor quem disse alguma coisa novamente."

Portanto, se a pessoa que está orando não vem até nós como se estivesse lendo um ensaio para Deus, mas se percebe-se que ela está genuinamente orando, então eu penso que não há problema em ter anotações ou um manuscrito.

"Minha meta foi mover a oração deles para o mais pessoal e espiritual, como também para o corporativo."

Anteriormente você disse que ao conduzir a oração corporativa, nós deveríamos orar "nós" em vez de "eu". Alguma outra dica prática para conduzir a congregação em oração corporativa?

Fale, fale claramente. Se não puder falar alto e claro você está simplesmente frustrando as pessoas mais velhas, e isso não é agradável.

Não diga coisas heréticas.

Tente ensinar alguns amigos piedosos na congregação que é uma coisa boa para eles lhe darem feedback – não para julgar a sua relação com Deus, mas para lhe ajudar a melhor representar o Senhor e ensinar as pessoas através das suas orações públicas. É apropriado ser humilde o bastante para ouvir a avaliação deles.

REUNIÃO DE ORAÇÃO DO DOMINGO À NOITE

Passando ao culto de oração do domingo à noite, como as suas metas são diferentes para o culto da noite em relação ao culto da manhã como um tempo de oração corporativa?

As pessoas compartilham muitas coisas, e eu chamo várias pessoas para nos conduzirem em oração por essas coisas. Assim você ouve mais de um corpo vivo já que não são só os líderes do culto que oram em monólogo; é um grupo de pessoas orando.

Ao contrário de muitos cultos de oração que eu assisti, as pessoas não levantam as suas mãos e dizem: "Você pode orar por isso?" Em vez disso elas vêm previamente até você. Eu sei que não foi sempre assim. Como você fez essa transição?

No princípio, nossa igreja tinha uma reunião de oração normal de quarta-feira à noite em que um velho diácono orava por todas as pessoas doentes no hospital, e então as pessoas levantavam as mãos e pediam por suas próprias preocupações. Então eu tentei fazer com que elas se movessem de orar pelo câncer do tio para orar pelo seu próprio câncer; e então de orar pelo seu próprio câncer para orar pela sua própria vida espiritual; e então de orar sobre a sua própria vida espiritual para orar pelo seu evangelismo; e então do seu evangelismo para o evangelismo da igreja. Minha meta foi mover a oração deles para o mais pessoal e espiritual, como também para o corporativo.

Como você fez isso?

Eu dizia às pessoas "não" quando elas queriam orar por um bebê doente.

Certo, OK. Mais alguma coisa?

Eu dizia, "Eu orarei. Obrigado por me falar. Deixe-me encorajá-lo a fazer com que o seu pequeno grupo ore, ou os seus amigos." Quando eles diziam, "posso compartilhar hoje à noite?" Eu respondia, "hum, não", e então eu tentava explicar o que eu estava tentando fazer. É o único momento que a igreja tem para reunir-se e orar sobre coisas que nos afetam como igreja, então...

Como você fez a transição de pessoas que levantam suas mãos: "Pastor, você poderia orar por... ?" para todo mundo entendendo que eles precisam vir anteriormente até você?

Bem, eles simplesmente viram que era isso que acontecia. Eu penso que todo mundo entendeu isso bem facilmente. E eles gostam disso porque eles se beneficiam do trabalho de filtragem que você faz como pastor. Você não vai ter um sujeito falando durante dezessete minutos sobre uma situação que ninguém entende, enquanto todos os outros ficam lutando com a carne, desejando poder sair de lá. As pessoas apreciam o seu trabalho de ter certeza de antemão de que isso não vai acontecer.

Alguém vem até você com um peso no coração – é um vizinho ou alguém que ele ama que tem câncer. Alguma dica de como, pastoralmente, responder com um "não"?

Você ora com eles ali mesmo. Encoraja-os em oração. E pergunta-lhes sobre sua relação com aquela pessoa.


Fonte: Extraído do site 9Marks


Tradução: Juliano Heyse (centurio)


Fale conosco: mail@bomcaminho.com.

; 2008 Bom Caminho