Bom Caminho - em busca das veredas antigas

Carolyn Mahaney - foto

Melhores Oportunidades da Fase - Para Mães de Adolescentes - Parte 2

Carolyn Mahaney

maedeadolescente2_big.jpg (11K) - mãe e filha

Em situações difíceis com nossos adolescentes, um exemplo de humildade é uma ferramenta poderosa que quebra barreiras. Um espírito humilde nos ajuda a atravessar as paredes que nossos adolescentes podem erguer. É uma porta de entrada para seus corações, não importa quão duros eles se tornaram.

Quando nossas filhas eram crescidas o bastante para se comunicarem, C.J. e eu perguntávamos regularmente, "Se houvesse uma coisa sobre o papai e mamãe que você pudesse mudar, o que seria?" Muitas vezes elas disseram coisas tolas como, "Dê-nos mais sorvete". Mas às vezes seus comentários nos deram um retorno valioso de nossas deficiências como pais. E embora as frases tenham amadurecido com os anos, nós nunca deixamos de fazer a pergunta.

Por que não fazer a mesma pergunta ao seu adolescente antes que a semana termine?

Só depois que nos humilhamos é que podemos encorajar nossos filhos a seguirem nosso exemplo. Comentários como "Por que você não faz o que eu digo?" ou "Quando você vai aprender?" não produzirão piedade em nossos adolescentes. Mas nossa humildade amolecerá os seus corações e irá inspirá-los a imitar nosso exemplo. E nós não devemos hesitar em encorajá-los a seguirem nosso exemplo (se realmente é um exemplo humilde e piedoso!). Muitos pais consideram isso como orgulho. Simplesmente esperam que o seu exemplo silencioso produza o efeito desejado.

Disciplina, correção e treinamento são ineficazes e até mesmo prejudiciais quando falta um amor terno. Mas estas mesmas ferramentas são mais prontamente aceitas se acompanhadas de uma mão amável e gentil. A máxima bíblica para tratar outros como você gostaria ser tratado certamente se aplica aqui.

Pela graça de Deus até pode acontecer. Mas seremos sábios em imitar o discurso mais agressivo do apóstolo Paulo. Em humildade, ele encorajou os crentes a seguirem o seu exemplo, como ele seguiu o de Cristo. Ele os exortou em 1 Coríntios 11:1,

" Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo."

E novamente em Filipenses 3:17

"Irmãos, sede imitadores meus e observai os que andam segundo o modelo que tendes em nós."

Vamos tomar nossos adolescentes pela mão e dizer, "Venha, siga-me para dentro das riquezas do evangelho de Jesus Cristo."

Em Tito 2:4 há uma pepita inestimável de sabedoria sobre a maternidade. Lá nós lemos "amemos [nossos] filhos" ternamente. Isto pode não parecer ser uma nova e moderna dica de criação de filhos, mas J.C. Ryle insistiu que este princípio bíblico é "um grande segredo no sucesso do treinamento." Ele descreveu este amor terno como:

"uma disposição para se envolver nas dificuldades infantis, uma prontidão para participar das alegrias infantis--estas são as cordas pelas quais uma criança pode ser conduzida mais facilmente. Estas são as pistas que você tem que seguir se quiser achar o caminho para o seu coração."

Da mesma forma, Paul Tripp nos encoraja como pais a "lembrarmos como era viver no assustador mundo dos anos adolescentes."

Um teste simples da efetividade de amor terno requer só um momento de auto-reflexão. Todos nós não reagimos melhor a uma pessoa que se interessa por nós e expressa afeto do que a alguém que tenta forçar ou nos manipular para que obedeçamos aos seus desejos?

Nossos adolescentes não são diferentes. Disciplina, correção e treinamento são ineficazes e até mesmo prejudiciais quando falta um amor terno. Mas estas mesmas ferramentas são mais prontamente aceitas se acompanhadas de uma mão amável e gentil. A máxima bíblica para tratar outros como você gostaria ser tratado certamente se aplica aqui.

E não foi um amor terno que o Salvador nos mostrou quando Ele nos concedeu salvação? Ele nos conduz com "laços de amor" (Oséias 11:4), e "Não nos trata segundo os nossos pecados" (Salmo 103:10).

Portanto a razão mais importante para mostrarmos amor terno é porque revela o amor de Cristo a nossos adolescentes.

Fonte: Extraído do site GirlTalk. parte4 parte5


Tradução: Priscila Bernardi Heyse e Ester Bernardi Marafigo


Fale conosco: bcmulher@bomcaminho.com.

; 2009 Bom Caminho